Home > Especial, O que há de novo? > Neotempestade Negra: O Retorno da Lenda

Neotempestade Negra: O Retorno da Lenda

April 24th, 2019

Quem diria que um dos melhores tipos de remoção de monstro não é exatamente uma remoção? Remover um monstro do campo do oponente é bom, mas assumir seu controle é ainda melhor! O novo card Repressão da Neotempestade Negra tem exatamente esse poder!

A Repressão é uma Armadilha Contínua com um efeito bem intuitivo: assuma o controle de um monstro do oponente. Você não poderá usá-lo para atacar ou ativar efeitos – fora isso, tudo é permitido! Justamente por sua flexibilidade, a Repressão se assemelha ao Aparelho de Evacuação Obrigatória, oferecendo opções ofensivas e defensivas. Ela funciona tanto para quem abre o Duelo quanto para quem inicia no segundo turno, o que é um grande diferencial, considerando que esse costuma ser um problema para a maioria dos Cards de Armadilha. Seu efeito de interrupção versátil pode suspender Escaladas Link roubando monstros essenciais para o combo, ainda mais se essa ação for concluída depois que o oponente gastar uma quantidade considerável de recursos. Se preferir, também é possível ativá-la durante o seu turno e, com isso, assumir o controle de um monstro inimigo para usá-lo como matéria enquanto assola a linha de defesa adversária. Não importa qual dessas alternativas você escolha, ambas são ótimas!

O oponente se verá obrigado a lidar com o monstro roubado quando a Repressão for usada para interromper um de seus combos. Caso contrário, além de ser prejudicado por conta de sua estratégia, ele terá que arcar com um poder ofensivo inesperado. Matérias “grátis” são sempre bem-vindas em qualquer Deck, mas você pode optar por um monstro poderoso com um Valor Link elevado se quiser – o que garantirá uma boa vantagem no Duelo.

A Repressão se alinha muito bem contra algumas estratégias populares que estão sendo usadas nas Qualificatórias Regionais e eventos YCS. Você pode usá-la, por exemplo, para assumir o controle de um Monstro Link “Força Celeste” a fim de impedir o desenvolvimento de combos perigosos. É importante notar que, caso a Repressão seja destruída, o monstro roubado deve retornar à Zona de Monstros Principais. Se isso acontecer no seu turno, todas as Magias “Força Celeste” que precisam da Zona de Monstros vazia não poderão ser ativadas, permitindo que você avance sem se preocupar com cards como a Força Celeste – Mecha – Gancho Viúva e Força Celeste – Mecha – Canhão Tubarão.

Se estiver enfrentando os Dragões do Trovão, assuma o controle do Colosso Dragão do Trovão para travar o oponente e impedi-lo de buscar pelo Negrodragão do Trovão ou Matrizdragão do Trovão no Deck. Ao Duelar contra um Deck de Salamagrandes, assuma o controle de um Monstro Link relacionado antes que seu efeito de Reencarnação Link seja ativado para fazer outra Invocação com o bônus concedido pelo Salamagrande Santuário – isso será o suficiente para interrompê-los e deixará o oponente com um campo inferior ao planejado. Se os recursos inimigos forem escassos, é possível impedir a progressão desse combo ao tomar o controle do primeiro monstro que iniciaria a sequência das Invocações-Link, fazendo com que o oponente passe seu turno. Como se não bastasse, a Repressão se torna ainda melhor em um confronto entre Decks do mesmo tema!

As Forças Celestes são conhecidas por transformar seu único monstro ás em outro mais poderoso com um efeito adicional. Portanto, se conseguir contornar as defesas e roubar o Monstro Link “Força Celeste” do oponente para usá-lo na Invocação do seu monstro, você terá economizado tempo e recursos valiosos! O mesmo se aplica aos Salamagrandes, desde que você assuma o controle de um Monstro Link inimigo e use seu efeito de Reencarnação Link para Invocar o seu próprio monstro. Ao fazer isso, além de interromper o oponente, você irá privá-lo de um recurso essencial durante um embate complicado enquanto vira o Duelo a seu favor, deixando-o sem muitas opções.

Você terá a oportunidade de obter a Repressão em breve, no Sneak Peek da coleção Neotempestade Negra!

Autor: Joe Frankino